segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Operação Potiguar II: Governo do Estado e Forças Armadas restabelecem a ordem no RN


O governador Robinson Faria avaliou hoje, 6, a Operação Potiguar II, realizada pelas Forças Armadas em conjunto com as polícias militar e civil do Estado no período de 20 de janeiro a 04 de fevereiro para conter os crimes praticados por organizações criminosas. A conclusão do governador foi de que a ação alcançou seu objetivo, restabelecendo a ordem e o respeito à legislação.

“A missão foi cumprida. Restabelecemos a ordem pública e vamos continuar atuando para combater a violência. O Estado não vai recuar, estamos trabalhando e vamos vencer a crise. Trabalhamos com inteligência, vamos construir presídios, vamos corrigir as falhas do sistema prisional, que não acontecem apenas no Rio Grande do Norte”, afirmou o Governador, em entrevista coletiva concedida na sede da 7ª Brigada de Infantaria Motorizada, em Natal. Ele ressaltou que durante a crise as forças policiais do Estado agiram com competência e técnica que evitaram mais mortes.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, presente à avaliação da Operação Potiguar II, destacou: “As Forças Armadas, em conjunto com as polícias do Rio Grande do Norte, restabeleceram a ordem e devolveram ao Estado a normalidade que estava ameaçada com incêndios a veículos e ataques a prédios públicos”, disse o ministro acrescentando que as tropas nacionais estarão sempre prontas a dar respostas rápidas e efetivas a qualquer ameaça à ordem constitucional”.


Na avaliação da atuação dos militares do Exército, Marinha e Aeronáutica no reforço ao combate ao crime organizado, o comandante da 7ª Brigada de Infantaria Motorizada e da Operação Potiguar II, general Jaime Octávio de Alexandre Queiroz, explicou que 1.887 militares das três forças foram mobilizados em 72 horas e começaram a atuar 24 horas por dia com efetivos em três turnos. Foram realizadas 3.879 ações de policiamento motorizado, a pé e fluviais que resultaram na apreensão de drogas, munições, armas, explosivos e pessoas. “A ordem pública foi preservada, a segurança restabelecida e a população volta à normalidade”, avaliou.