quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Anvisa proíbe circulação de lote de descongestionante nasal e achocolatado Itambezinho

http://s2.glbimg.com/KVph2E__VPgrAHzyuz5tPL9ToHo=/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2016/08/29/itambe.jpg

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou, por meio de texto no Diário Oficial da União desta segunda-feira (29), a proibição de um lote do descongestionante nasal Nasolive e da bebida láctea da marca Itambezinho.

A proibição do lote CN16E001 A (Val. 05/2018) do medicamento Nasolive decorre de uma queixa técnica que identificou um corpo estranho em um frasco fechado do medicamento.

O remédio, com fórmula solução de Cloreto de Sódio 0,9mg/mL + Cloreto de Benzalcônio 0,1mg/mL, é  fabricado pela empresa Farmace Indústria Químico e entra na categoria de baixo risco à saúde.

Achocolatado
No caso do Itambezinho, a Anvisa determinou a interdição cautelar do lote 21:18 (val. 21/11/2016) da bebida láctea UHT sabor chocolate, 200ml. O achocolatado é fabricado por Itambé Alimentos e foi também interditado em todo o território nacional.

Nota da Itambé (íntegra)

Em relação ao caso do óbito da criança em Cuiabá e a suposta relação com o consumo do achocolatado, a Itambé esclarece que  já realizou análises laboratoriais internas do lote de produção mencionado na notificação, não identificando qualquer problema em sua composição. Em paralelo, outras análises estão sendo feitas em laboratórios externos e no LANAGRO – Laboratório Nacional Agropecuário – do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, cujos laudos serão disponibilizados no decorrer desta semana.

Até o presente momento, diferentemente do divulgado nas redes sociais, não houve qualquer notificação de outros casos similares relativos ao produto em questão, além do mencionado acima em Cuiabá, Mato Grosso.

O achocolatado Itambezinho está no mercado há mais de uma década, e nunca apresentou qualquer problema correlato. A empresa reitera seu compromisso com a qualidade de seus produtos e continua trabalhando com os órgãos oficiais  para que os fatos sejam esclarecidos o mais rapidamente possível.


Do Portal Brasil, com informações da Anvisa