quinta-feira, 24 de março de 2016

No RN, foram registrados, em 2015, 1187 casos de tuberculose



O dia 24 de março é marcado como Dia Mundial de Luta Contra a Tuberculose, uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões. Segundo o Ministério da Saúde, anualmente são notificados cerca de seis milhões de novos casos em todo o mundo, levando mais de um milhão de pessoas a óbito. A estimativa é de que um terço da população mundial esteja infectada pelo Mycobacterium tuberculosis e em risco de desenvolver a doença. O surgimento da Aids e o aparecimento de focos de tuberculose resistente aos medicamentos agravam ainda mais esse cenário.

A cada ano, são notificados aproximadamente 70 mil casos novos e ocorrem 4,6 mil mortes em decorrência da doença. O Brasil ocupa o 17º lugar entre os 22 países responsáveis por 82% do total de casos de tuberculose no mundo. Nos últimos 17 anos, a tuberculose apresentou queda de 38,7% na taxa de incidência e 33,6% na taxa de mortalidade.

No Rio Grande do Norte, foram registrados, em 2015, 1187 casos de tuberculose, dos quais 884 foram casos novos, 56 foram por recidiva, 92 recidiva após abandono, 145 por transferência, 03 pós-óbito e os outros ainda não completaram o tempo mínimo de tratamento. Já em 2016 há 81 casos.

A Coordenação Estadual do Programa de Controle da Tuberculose – PECTRN – realiza durante todo o ano o monitoramento dos indicadores de saúde, supervisão do fluxo de dispensação dos tuberculostáticos, reuniões, visitas técnicas e capacitações com as coordenações regionais e municipais desse Programa, com o objetivo de aperfeiçoar a vigilância epidemiológica para aumentar a detecção de casos novos, aumentar a cura e diminuir o abandono do tratamento.



Para o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, o Programa Estadual convocou todas as coordenações regionais e municipais a realizar junto às suas equipes de saúde, especialmente aquelas de atuação direta na Atenção Básica/Estratégia Saúde da Família, ações de informação sobre a doença, diagnóstico e cura, assim como a busca ativa de sintomático respiratório em suas áreas de abrangência, contribuindo assim para o diagnóstico precoce dos casos e tratamento oportuno da doença, de modo a fortalecer o combate à tuberculose em seus municípios.

A tuberculose é transmitida através de gotas de saliva que contenham o agente infeccioso e somente 5% a 10% dos infectados pelo bacilo de Koch adquirem a doença. Pessoas vivendo com HIV/aids, diabetes, insuficiência renal crônica, desnutridas, idosos, doentes, usuários de  álcool e outras drogas e tabagistas são mais propensos a contrair a tuberculose.

O tratamento deve ser feito por um período mínimo de seis meses, sem interrupção, diariamente. São utilizados quatro fármacos para o tratamento dos casos que utilizam o esquema básico: rifampicina (R), isoniazida (H), pirazinamida (Z) e etambutol (E). Todos os pacientes que seguem o tratamento corretamente são curados.